top of page
  • Foto do escritorMaria Eduarda Oxley

10 dicas para construir um relacionamento saudável com os seus filhos

Atualizado: 22 de abr.


Pais com a filha pequena
Imagem: prostooleh | Freepik

Hoje em dia muitos pais sentem-se culpados e frustrados porque as crianças/adolescentes não se comportam como nos “velhos tempos”. O que aconteceu? Por que hoje em dia as crianças e os adolescentes não desenvolvem as mesmas habilidades e responsabilidades que desenvolviam há muito tempo atrás?


Existem diversas abordagens que tentam resumir essas respostas, uma delas pode se dar na mudança da sociedade e o avanço da tecnologia. Podemos pensar na quantidade de lares desfeitos, excesso de telas, carga diária de trabalho dos pais, falta de referências, com certeza tudo isso tem impacto direto na criação dos filhos.


Outra explicação, não menos importante, é a proporção de adultos que também sofreram com essas mudanças. Adultos perdidos na paternidade e maternidade e não servindo de exemplo ou modelo de obediência e encorajamento.


Nós, cuidadores, precisamos oferecer oportunidades para que os filhos possam obter privilégios advindos da nossa relação com eles. Mas como fazer isso?


1. Tempo de qualidade: eu sei, nosso tempo é curto e corrido, mas isso não quer dizer que o tempo está perdido. Menos é mais. Tempo com carinho, dedicação e diálogo.


2. Atividades em comum: estreitar relação depende de troca. Uma atividade em comum com o pai, mãe, irmãos pode fazer com que ambos se conheçam mais.


3. Espaço para diálogo: abrir um horário no dia para escutar o que os filhos têm a dizer e vice-versa faz com que o entendimento do mundo interno do outro seja maior. ESCUTE! Lembrem-se de que as crianças escutarão você quando sentirem que forem ouvidas também.


4. Em momentos de crise/conflito familiar: decida antes, com calma, o que você vai fazer em vez de obrigar as crianças a fazerem.


5. Use quadros de rotina para evitar lutas de poder.


6. Momentos difíceis: conforte e acolhe, depois convide-o a pensar numa solução.


7. Reuniões de família, propor consenso familiar nas decisões da casa: dê opções, ofereça alternativas que são boas para você também e eles têm a autonomia de escolha.


8. Compartilhar com frequência os erros e o que aprenderam com eles.


9. Evite críticas: utilize: como você gostaria de melhorar? O que você precisa fazer para alcançar seu objetivo? No que posso te ajudar?


10. Tente um abraço.


“Fazer parte de uma família é como estar em uma peça de teatro. Cada posição na ordem de nascimento é como estar em um papel diferente da peça, com características diferentes para cada personagem. [..]”



Texto por Maria Eduarda Oxley. Psicóloga Clínica; Psicoterapia de Orientação Analítica; Especialista em Terapia Individual, de Casal e Familiar; Mestre em Saúde e Comportamento; Educadora Parental certificada PDA; CRP: 07/24911.



Referências:

Nelsen, Jane – Disciplina Positiva, 2015.

Comments


bottom of page